Processamento Radiográfico Odontológico

02/03/2016

O processamento radiográfico tem como objetivo tornar a imagem latente (virtual), existente no filme, em imagem visível e permanente. Isto acontece através de um conjunto de reações químicas entre a emulsão do filme e as soluções reveladoras e fixadoras (FREITAS, 1992 apud FONTÃO, 1997).

Para a obtenção da imagem, vários fatores podem influenciar no processamento: a) constituição da emulsão do filme; b) formação da imagem latente; c) soluções reveladoras e fixadoras; d) temperatura das soluções; e) lavagem; f) secagem e armazenamento dos filmes; e g) luzes de segurança. O controle destes fatores é de grande importância na manutenção da qualidade radiográfica (RUEGER; WARNER, 1981 apud FONTÃO, 1997).

Métodos de processamento

O Processamento Radiográfico Odontológico pode ser realizado manual ou automaticamente, consistindo na imersão do Filme Radiográfico, em Soluções Químicas (Revelador e Fixador).

O método processamento manual é aquele realizado pelo profissional, em câmera escura ou em caixas de processamento portátil, seguindo os passos tradicionais:

Método Manual

Segundo FONTÃO (1997) o processamento manual pode ser realizado por meio de dois métodos: inspecional e temperatura/tempo. O método inspecional, considerado subjetivo, consiste em mergulhar o filme no revelador e removê-lo periodicamente para examina-lo sob a luz vermelha.

No método temperatura/tempo, o tempo de revelação é calculado de acordo com a temperatura dos líquidos no momento do processamento. Na medida em que aumenta a temperatura, diminui o tempo de revelação.

Já o método automático, as processadoras incorporam vários sistemas, os quais transportam, revelam e secam o filme, além de reforçar e recircular as soluções de revelação.

Método Automático

A essência da revelação automática é a interação controlada do filme, substâncias químicas e processadoras. Para revelar, fixar, lavar e secar uma radiografia no curto tempo disponível no processo automático, são necessários vários fatores, entre eles substâncias químicas especialmente formuladas e rígido controle das temperaturas da solução, agitação e reforço. As características do filme devem naturalmente ser compatíveis com as condições de revelação, com o diminuído tempo de revelação e com o sistema de transporte mecânico.

Conhecendo cada etapa:

Revelação

Etapa na qual se estabelece a diferença entre as áreas do filme que foram expostas à luz e quais não foram.

Basicamente a composição de um revelador radiográfico requer a presença de quatro grupos de produtos que são:

REDUTORES: são responsáveis pelo alto e baixo contraste e suas nuances. Agem transformando os cristais de brometo expostos aos raio- X em prata metálica negra, tornando possível visualizar a imagem latente.

ANTI-OXIDANTE: previne que os redutores sejam oxidados quando em contato com o oxigênio do ar ou quando misturados a outros produtos.

ATIVADORES: proporcionam a alcalinidade necessária, inchando e abrandando a gelatina de emulsão que recobre a película, permitindo a ação em profundidade dos redutores.

RESTRITORES: evitam o véu químico nos cristais de brometo de prata não expostos aos raios-X.

A etapa de revelação torna visível a prata sensibilizada pelos raios-x, e logo após, a etapa de fixação remove a prata não sensibilizada.

Fixação

Para completar a revelação, é necessário eliminar os cristais, não revelados no filme, desta forma o filme não irá descolorir ou escurecer com o tempo.

A fixação é importante para manter a qualidade de uma radiografia.

Os componentes de um fixador radiográfico, são:

REMOVEDORES: removem exclusivamente os cristais de prata não expostos aos raios X, deixando somente a prata metálica negra sensibilizada, definindo a imagem obtida na revelação.

ACIDIFICANTES: acidificam a solução a fim de neutralizar a alcalinidade do revelador, transportando pela gelatina do primeiro para o segundo.

PROTETORES: evitam a decomposição dos removedores, prevenindo sua precipitação.

ENDURECEDORES: conferem resistência à emulsão, frente ao aumento da temperatura e agentes abrasivos.

Lavagem 

A etapa de enxágue é necessária para retirada de excessos de revelador e fixador, pois esses resíduos podem prejudicar a qualidade da radiografia.

Os filmes devem ser lavados em água corrente que circule de tal maneira que ambas as superfícies do filme recebam água limpa continuadamente.

Secagem

A rápida secagem da radiografia depende do adequado condicionamento do filme.

A temperatura do secador deve ser a mais baixa possível, e não deve exceder o nível de temperatura recomendado.

Filme radiográfico revelado.

A imagem nos filmes radiográficos é formada por uma série de partículas muito pequenas de sais de prata, os quais invisíveis a olho nu (imagem acima). Entretanto, essas partículas se unem em massas relativamente grandes que podem ser vistas pelo olho humano ou com auxílio de pequeno aumento (ANDREUCCI, 2005).

Resíduos do processamento radiográfico.

A resolução RDC n.° 306 de 07 de dezembro de 2004 da ANVISA dispõe o regulamento técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde, incluindo os efluentes líquidos provenientes do processo de revelação de filmes usados em raio-X.

Os reveladores utilizados em radiologia podem ser submetidos a processo de neutralização para alcançarem pH entre 7 e 9, sendo posteriormente lançados na rede coletora de esgoto ou em corpo receptor, desde que atendam as diretrizes estabelecidas pelos órgãos ambientais, gestores de recursos hídricos e de saneantes competentes. Os fixadores usados em radiologia podem ser submetidos a processo de recuperação da prata ou então serem submetidos ao constante do item 11.16.

11.16 - Os demais resíduos sólidos contendo metais pesados podem ser encaminhados a Aterro de Resíduos Perigosos  – Classe I ou serem submetidos a tratamento de acordo com as orientações do órgão local de meio ambiente, em instalações licenciadas para este fim. Os resíduos líquidos deste grupo devem seguir orientações específicas dos órgãos ambientais (ANVISA, 2004)

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA). Resolução RDC n.° 306 de 07 de dezembro de 2004. Dispõe sobre o regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de saúde. Brasília: DOU 10 dez de 2004. Disponível em http:/www.webodonto.com/downloads/diversos/ANVISA-resolução-rdc-n306-rss:pdf Acesso em:05 out de 2012

ANDREUCCI, R. Iniciação à Radiologia Industrial. Projeto Extensão Universitária Uninove. São Paulo – SP, ABENDE. 2005. 77f.

FRANCIEANE TOPANOTTI. Avaliação da Toxidade de revelador e fixador de radiografias provenientes de clínica odontológicas, utilizando Daphnia magna E Allium cepa L. Disponível em: http://www.bib.unesc.net/biblioteca/sumario/000044/0000448A.pdf

FONTÃO, F. G. K. Processamento radiográfico com temperaturas de 35°C e 40°C. Bauru, SP: EDUSC, 1997. 130 p.

Notícias recentes

Ponha no prato alimentos que deixam dentes e gengivas saudáveis

05/07/2016

Escovação, aliada à dieta, promove mordida mais forte e sorriso mais branco

Veja mais

Coisas que seu dentista sabe ao examinar sua boca

20/06/2016

Embora muita gente tente, não dá pra enganar o dentista.

Veja mais

15 alimentos que mancham os dentes

10/05/2016

Nada chama tanto a atenção quanto um sorriso branco e radiante!

Veja mais